Um Dia de Retiro

Recentemente participei de um retiro no templo do Odsal Ling que a Lama Tsering chamou de “retiro de pintura”. Há muito que se dizer sobre este retiro, afinal foi um retiro com características muito especiais em vários sentidos.

Logo de cara a Lama Tsering abriu o retiro nos dizendo que as fronteiras do templo estariam fechadas para os retirantes. Ou seja, ficaríamos uma semana com praticamente nenhum contato com o mundo externo. Sem internet, sem TV (em plena copa do mundo para o desespero dos meninos!!!), sem celular, nem mesmo livro poderíamos ler. Se alguém quisesse ler alguma coisa poderia ler as sadanas e nada mais.

Nem todo retiro tem regras tão rígidas como estas, aliás, fazia tempo que eu não participava de um retiro como nos “velhos tempos do Tibete”. Quando ouvi a Lama Tsering passar as regras, confesso que até achei legal; a única coisa é que foi um corre, corre danado, pois eu não tinha avisado a ninguém que faria um retiro assim…. tão retirada, rs…

Corri para deixar uma mensagem automática no email explicando, sem explicar muita coisa, que não responderia emails por uma semana; liguei para minha mãe para ela não se preocupar com o meu sumiço. Esta parte até que foi mais fácil, pois ela já esta acostumada. Tive que cancelar alguns compromissos que achei que conseguiria encaixar entre um intervalo e outro do retiro, e, finalmente, depois de um email aqui, uma ligação ali, fechei minhas portas internas para mergulhar no meu retiro.

Retiro é uma experiência única e intransferível. Para cada um é de um jeito, mas para todos é intenso.

Num retiro, ainda que super curto, de apenas uma semana, muita, mas muuuuuuita coisa pode acontecer. Entre várias experiências que já tive tem uma que sempre se repete: um mergulho em mim mesma, onde consigo me ver melhor, nas coisas boas e ruins.

O padrão “piloto automático”, em que vivemos, onde mal notamos quem somos e como somos, como agimos e reagimos, é desativado e aí é aquela coisa: “aperte o cinto, porque agora você vai conhecer e ver quem de fato está pilotando seu avião”.

Eu costumo brincar que logo no começo eu recebo da minha lama, do meu mestre, de todos os budas e bodisatvas um “kit retiro” com um óculos para enxergar melhor, um fone de ouvido para ouvir melhor minha fala e pensamentos (na maioria das vezes inúteis) e uma cola para me grudar na almofada e evitar que eu saía correndo!!! rs….

Aliás, a Lama Tsering comentou que o motivo de se fechar as fronteiras num retiro não é para evitar que as pessoas de fora entrem e sim para evitar que as pessoas de dentro saiam!

É amigos, não é fácil, não é mesmo, mas é maravilhoso!

Agora em julho vamos começar mais um “programa de residentes”, um período de retiro com práticas, ensinamentos e muito aprendizado.
Este retiro será bem flexível. Quem quiser pode fazer só por um período, por uns dias, ou mesmo por um final de semana. (no site do Odsal Ling tem a programação com todos os detalhes sobre os ensinamentos).

Todos nós temos dificuldades para encontrar tempo e dinheiro para fazer um retiro. Mas se a gente fizer uma análise bem sincera e honesta veremos que na maioria das vezes deixamos de fazer um retiro não por uma questão de falta de tempo, nem mesmo por falta de dinheiro, mas, sim, por falta de prioridade.

Por isto gostaria de convidar você, que está lendo este post, a se programar e ter como prioridade juntar-se a nós neste período de retiro que vai acontecer durante o mês de julho. Venha! Nem que seja por uns dias, nem que seja por um final de semana, nem que seja por um único dia.

Não deixe para fazer depois uma coisa que você pode fazer hoje.

“Só existem dois dias no ano em que você não pode fazer nada na sua vida: Ontem e Amanhã” (S.S. Dalai Lama)
Programe-se, anime-se, inspire-se e venha!

Anúncios
Esse post foi publicado em atividades, Ngöndro, Retiros e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

6 respostas para Um Dia de Retiro

  1. Maria Paula Carvalho Bonilha disse:

    Oi Pri, gostei muito de ver você escrevendo. Vou seguir seus conselhos em relação ao retiro de julho e tentar estar no refúgio o quanto for possível. Aliás, parabéns a todos vocês, Clóvis , Fran, Fábio, Thiollier e colaboradores que estão concebendo o blogsattva e fazendo ele “viver” diariamente. Saudades.

  2. Laerte Willmann disse:

    parabens pelo blog, parabens pelo retiro…
    may all beings be happy, may all beings be free !

  3. Maren disse:

    Poxa…. estou adorando ler esse blog…
    Me sentindo mais perto estando longe… com aquela sensação de ter vocês vajra brothers sempre falando alguma coisa pra chamar a gente de volta…… snif…
    Obrigada…

  4. Retirar significa guardar-se, em si, um lugar afastadado da conversação discurssiva, um “retreat”: an act of withdrawing us as into safety and privacy. Este post retrata com tanta transparência e delicadeza o que foi a experiência daqueles que tiveram essa oportunidade tão magnífica de poder ter feito este retiro. Como já disse alhures (http://bit.ly/cu8XOW), não tive a oportunidade de participar desse retiro, mas aprendi, de certa forma, com este Post tão lindo, a lição de uma parte do que lá se passou e de fazer todo o meu esforço para não perder outra dessas chances. O retiro foi ontem, não mais é hoje, e quem sabe se e quando será, se haverá, um outro amanhã. Mesmo assim, este que passou, passou e impermanentemente se foi…

  5. Ariany disse:

    Bom, Pri, primeiramente gostaria de parabenizar a todos que encabeçaram e que estão contribuindo com txts para o blog. Segundo, sua sinceridade e clareza na escrita. E terceiro, quando eu fazia retiro na adolescência era uma vez por ano, mas não podiamos sequer usar relógio ^^ nem condução própria, ou seja ir e vir de casa para o retiro, deixar de dormir no local, tinhamos que obrigatoriamente fazer todos os dias de retiro… 2, 3, 4 dias em uma outra e nova cidade, sem contato com a família, sem net, sem celular, telefonemas, com horário para dormir, tomar banho. Só que podiamos ler livros (prática que raramente faziamos) e escrever. No final, entregávamos cartaz uns para o outros, inclusive. E, quer saber? Meus colegas e eu adorávamos! Que tal, sermos um pouco mais exigentes mesmo nos momentos de prática diárias no Templo, no Centro, como tirar os relógios??? rs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s