A caminho do mestre: Passagens

Bom, imaginem, acabei por interromper os contos daquele fim de semana maravilhoso com Dilgo Khyentse Yangsi Rinpoche, em Vershire. E pensar que tudo passou tão rapidamente e o jovem Yangsi parte amanhã e deixa a América: é o que já nos relata Mangala Shri Bhuti.

Pena que com o assalto relatado em meu post anterior as fotos armazenadas no meu iPhone tenham também sofrido o efeito da impermanência, pelo menos no que diz respeito aos nossos leitores, que não poderão vê-las. Mas sobraram outras, bastante interessantes, como as que tirei das relíquias de Dilgo Khyentse Rinpoche.

Relíquias de DKR

Relíquias de uso de Dilgo Khyentse Rinpoche

Porém, o importante, nesse post, é mencionar quão linda foi a iniciação que recebemos do tesouro descoberto por Dilgo Khyentse Rinpoche, inciação essa que nos era agora transmitida diretamente por seu Yangsi. Aquilo me deu um belo de um arrepio, uma emoção imensa, uma emoção intensa. Acho que todos ali presentes, naquele momento, sentiam-se assim: em uma mandala formada pelas bençãos daquela iniciação.

À noite tivemos a exibição do filme Brilliant Moon, que conta a história de Dilgo Khyentse Rinpoche, lindamente realizado pelo diretor Neten Chokling. O documentário foi exibido na Rollins Chapel na Universidade de Dartmouth

Rollins Chapel Dartmouth U

Rollins Chapel Dartmouth University

Já se fazia cair a tarde, comecinho da noite, quando uma platéia enorme cruzava o “green”, a praça principal da cidade de Hanover, em direção à Capela cedida pela Universidade aos organizadores do evento para que lá se realizasse a exibição do filme. Espero que todos possam ter a oportunidade de assistir a esse documentário, com a narração de Richar Gere e Lou Reed e com a participação especial do Dalai Lama, Dzongsar Khyentse Rinpoche, Matthieu Ricard, Orgyen Topgyal Rinpoche, Rabjam Rinpoche, Sogyal Rinpoche e tantos outros.

Para mim, aquele passeio, aquela caminhada, de cruzar o “green” tocou-me muito, tocou-me fundo, foi especial em tantos sentidos, afetando a todos os meus sentidos, pelo caminhar, pelo recordar, ou mesmo por só ter estado ali, do jeito que ali estive, cruzando o “green” sobre o qual tanto ouvi e que naquela hora vivi aquele momento tão especial.

Passagens inesquecíveis de uma viagem inesquecível, de momentos especiais, mas não obstante, passagens…

Deixo para o meu último post, no entanto, as demais fotos que me restaram na máquina, quando terminarei minha série de posts, recordando o puja da Essência do Siddhi, que fizemos juntos com Yangsi Rinpoche, Dzigar Kongtrül Rinpoche e Rabjam Rinpoche, com um lindíssimo Tsok e danças típicas.

Até então!

Anúncios

Sobre Marcelo Thiollier

No caminho, felicidade tem outro nome. On the path, happiness has another name.
Esse post foi publicado em Budismo, Impermanência, Mestres, Relíquias. Bookmark o link permanente.

2 respostas para A caminho do mestre: Passagens

  1. Flavia Pate disse:

    adoro ler os seus posts! o blogsattva e’ nosso starting page aqui em casa…!

    te love.

    • Puxa, querida, alegra-me muito saber disso. De alguma forma vocês têm mais contato comigo, mas acima e melhor de tudo, alguma conexão com Dharma. Sabe, ele permeia tudo, mesmo quando não sabemos disso e assim convive com todas as tradições espirituais, respeitando-as e de certa forma complementando-as, pois como disse o Mestre a quem fui receber iniciações em Vershire, no USA, uma de suas práticas é The Lineage of Good Heart [Dilgo Khyentse Yangsi Rinpoche, 19 July 2010, Lerab Ling, France. Ver post da Francesca Sperb, a Fran, em http://bit.ly/cfgLRj%5D

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s