Life as a Cinema: A Vida como um Filme

Bilingual Post

Na passagem pelo Khadro Ling, neste mês de janeiro, um de nossos editores, Marcelo Thiollier, teve contato com um escrito maravilhoso de Dzongsar Jamyang Khyentse Rinpoche, um dos mais respeitados mestres do budismo vajrayana da atualidade.

In his passage by Khadro Ling, this January, one of our editors, Marcelo Thiollier, came across a beautiful text written by Dzongsar Jamyang Khyentse Rinpoche, one of today’s most respected masters of the Vajrayana Buddhism.

Dongsar Jamyang Khyentse Rinpoche

Dongsar Jamyang Khyentse Rinpoche

O artigo “Life as a Cinema”, originalmente publicado no Shabala Sun, foi traduzido por Ana Paula Martins Gouveia (tradutora do aclamado livro “Feeding your Demons” ou “Alimente seus Deuses e Demônios”), que carinhosamente autorizou a publicação no Blogsattva de sua tradução desse texto tão tocante.

The article “Life as a Cinema”, originally published in the Shambala Sun, was translated by Ana Paula Martins Gouveia (translator to the Portuguese language of the acclaimed book Feeding your Demons ou “Alimente seus Deuses e Demônios”), who so kindly authorized the publication in the Blogsattva of such significant writings.

Agradecemos a Anni-Dy, presentemente em retiro no Khadro Ling, a oportunidade de ter-nos passado os arquivos digitais para publicação no Blogsattva.

We need to thank so deeply Anni-Dy, who is presently in retreat at Khadro Ling, the opportunity to have provided us with the digital files for publication in our Blog.

O artigo segue abaixo em sua forma original, na língua inglesa, com a tradução de Ana Paula, logo a seguir. Esperamos que os leitores, que estudam a dança das ilusões da vida, apreciem as palavras desse mestre tão especial sobre o assunto.

The article in its original form in the English language is first transcribed below followed by the translation thereof to Portuguese. We do hope our readers, who are into the dance of illusion in our lives, will appreciate the words of such special master on the subject.


– – –

Life as Cinema

By Dzongsar Khyentse Rinpoche

Dzongsar Khyentse Rinpoche uses film as a metaphor for Buddha’s teaching about samsara and nirvana.

Dzongsar Khyentse Filming

Dzongsar Khyentse Filming

 

Just suppose that we have been born in a cinema hall. We don’t know that what is going on in front of us is just a projection. We don’t know that it is just a film, just a movie, and that the events in the movie aren’t real, that they have no true existence. Everything we see on that screen—love, hate, violence, suspense, thrills—is in fact just the effect of light projected through celluloid. But no one has ever told us this, so we just sit there watching, fixated on the film. If somebody tries to attract our attention, we say, “Shut up!” Even if we have something important to do, we don’t want to do it. We are completely engrossed and blind to the fact that this projection is completely futile.

Now suppose that there is someone in the seat next to us who says: “Look, this is just a film. It’s not real. This is not really happening. It’s really just a projection.” There’s a chance we too might understand that what we are seeing is in fact a movie, that it is unreal and essenceless.

This doesn’t automatically mean we get up and leave the cinema. We don’t have to do that. We can just relax and simply watch the love affair, the crime thriller or whatever. We can experience its intensity. And if we have a certain confidence that this is just a projection, then we can rewind, fast forward or play the film again as we like. And we have the choice to leave whenever we like, and to come back at another time to watch again. Once we are certain that we can leave any time we like, we may not feel compelled to do so. We can choose to sit comfortably and watch.

Sometimes a sequence in the movie can overwhelm our emotions. A tragic moment might hit our soft spot and we are carried away. But now, something in our heart is telling us that we know it’s not real, that it’s not a big deal.

This is what the dharma practitioner needs to understand—that the whole of samsara, or nirvana, is as essenceless or untrue as that film. Until we see this, it will be very difficult for dharma to sink into our minds. We will always be carried away, seduced by the glory and beauty of this world, by all the apparent success and failure. However, once we see, even just for a second, that these appearances are not real, we will gain a certain confidence. This doesn’t mean that we have to rush off to Nepal or India and become a monk or nun. We can still keep our jobs, wear a suit and tie and go with our briefcase to the office every day. We can still fall in love, offer our loved one flowers, exchange rings. But somewhere inside there is something telling us that all this is essenceless.

It is very important to have such a glimpse. If we have even one glimpse in the whole of our life, we can be happy for the rest of the time with just the memory of that glimpse.

Now, it could happen that when someone whispers to us, “Hey! This is just a film,” we don’t hear them because we are distracted. Perhaps just at that moment there is a big car crash in the movie, or loud music, so we just don’t hear the message. Or else maybe we do hear the message, but our ego misinterprets this information, so we remain confused and believe that there is something true and real in the movie after all. Why does that happen? It happens because we lack merit. Merit is incredibly important. Of course, intelligence, or prajna, is important. Compassion, or karuna, is important. But merit is paramount. Without merit, we are like an ignorant, illiterate beggar who wins a multi-million-dollar lottery but does not know what to do with the money and loses it straight away.

But suppose we do have a little merit and we actually get the message from the person whispering to us. Then, as Buddhists, we have different options. From the point of view of Theravada Buddhism, we get up and leave the movie hall, or we close our eyes, so we are not carried away by the movie. We put an end to suffering in that way. On the Mahayana level, we reduce our suffering through understanding that the movie is unreal, that it is all a projection and empty. We don’t stop watching the movie, but we see that it has no inherent existence. Moreover, we are concerned about the others in the cinema. Finally, in the Vajrayana, we know that it is just a movie, we are not fooled, and we just enjoy the show. The more emotion the movie evokes in us, the more we appreciate the brilliance of the production. We share our insights with our fellow viewers, who, we trust, are also able to appreciate what we see.

But to implement this in real life, we need merit. In Theravada Buddhism one accumulates merit through renunciation. We see that the movie is making us suffer and we have the sense to stop watching it. In the Mahayana we accumulate merit with compassion. We have a big and open mind that is more concerned with others’ suffering.

On the other hand, this transformation—from being caught up in the movie, to seeing the emptiness of the events in the film, to caring solely for the welfare of others—might take a very, very long time. This is why in the Vajrayana we move into the fast lane and accumulate merit through devotion. We trust the person who is whispering to us, and who has an understanding that has set him free. Not only do we assimilate the information he is giving us, but we also appreciate his freedom of mind and the depth of his being. We know we have the potential for such liberation too, and this makes us appreciate him even more. A single moment of such devotion, just a split second, just a little bit of such devotion, has immense merit. If we are in tune with the person whispering to us, he might help us discover the true inner movie-lover. He might make us see how the rest of the audience is caught up, and how unnecessary it all is. So without our having to rely on our own confused struggle to understand the path, this person brings us to an understanding of what it is we are seeing. We then become someone who can sit back and enjoy the show. And maybe we might whisper to some others as well.

Life as Cinema, Dzongsar Khyentse Rinpoche, Shambhala Sun, November, 2003

[POST NOTE: We have received, today 30-Jan-2011, a beautiful contribution from one of our readers, Rogério, indicating a link where Dzongsar Khyentse Rinpoche explains in video the topic of this article. The video is in English and to watch it jus click this link

http://www.youtube.com/watch?v=iPrzJO9N8qs&playnext=1&list=PL7E6C26817FB03BF0

We will be posting a new Post with the complete link to Dzongsar Khyentse’s explanation of Life as Cinema.

We deeply thank Rogério for his exceptional collaboration to the Blogsattva.]


– –

A Vida Como Um Filme de Cinema

Por Dzongsar Khyentse Rinpoche

Tradução: Ana Paula Martins Gouveia

Dzongsar Khyentse Filming

Dzongsar Khyentse Filming

 

Imagine agora que você tenha nascido dentro de uma sala de cinema. Não sabemos que aquilo que está a se passar à nossa frente não é nada além de uma projeção. Não sabemos que aquilo é somente uma película, um filme, e que os acontecimentos que ali se passam não são reais, que não têm existência real. Tudo aquilo que vemos ser projetado – amor, ódio, violência, suspense, sensações – é, na verdade, simplesmente o efeito da luz que se projeta através do celulóide. Mas ninguém jamais nos disse aquilo, então permanecemos ali, assistindo, fissurados no filme. Se alguém tenta atrair a nossa atenção, nós dizemos, “Cale-se!” Mesmo que tenhamos algo importante para fazer, nós não queremos fazer outra coisa, ficamos completamente absorvidos e cegos perante o fato de que aquele filme não passa de uma projeção totalmente fútil.

Agora imaginemos que há alguém na cadeira ao lado que diz: “Olhe, isso é apenas um filme, não tem nada de real. Isso não está realmente acontecendo. Na verdade, isso é apenas uma projeção.” Existe uma chance de que sejamos capazes de entender que aquilo que estamos a ver é de fato um filme, que é algo irreal e sem essência.

Isso não significa que automaticamente nos levantamos e saímos do cinema. Nós não temos que fazer isso. Nós podemos simplesmente relaxar e assistir ao caso de amor, o suspense policial ou o que quer que esteja passando. Podemos vivenciar a intensidade de tudo aquilo. Mas se estivermos realmente convictos de que aquilo é mesmo uma projeção, podemos até passar o filme para frente, para trás, voltar tudo e assistir novamente, podemos fazer o que quiser. Além de termos também a opção de simplesmente parar de assistir quando quisermos, e voltar para ver aquela projeção em um outro momento, quando nos der vontade. Quando tivermos a certeza de que podemos abandonar o filme a qualquer momento que quisermos, podemos não nos sentir compelidos a fazê-lo. Podemos optar por nos sentar ali confortavelmente e assistir ao filme.

Algumas vezes certas seqûências que são projetadas podem mexer fortemente com as nossas emoções. Um momento trágico pode ir de encontro ao nosso ponto franco e somos levados por aquilo. Mas agora, algo em nosso coração nos diz que o que se passa ali não é real, que não é grande coisa.

É isso que os praticantes do Dharma precisam entender – que todo o samsara, ou nirvana, é tão desprovido de essência, ou tão não-verdadeiro, quanto um filme na tela. Até que sejamos capazes de ver isso, será muito difícil que o Dharma consiga penetrar em nossas mente. Nós nos deixaremos levar, nos deixaremos ser seduzidos, pela glória e a beleza deste mundo, por todos os sucessos e fracassos aparentes. Todavia, uma vez que formos capazes de ver, ainda que apenas por um segundo, que estas aparências não são reais, nós vamos ganhar uma certa confiança sobre isso. Mas nada disso significa que teremos que sair correndo para o Nepal ou para a Índia e nos tornarmos monjas ou monges. Podemos manter os nossos empregos, usar terno e gravata, e ir com a nossa pasta de trabalho para o escritório todos os dias. Podemos continuar a nos apaixonar, a oferecer flores para aqueles que amamos, trocar anéis. Mas alguma coisa dentro de nós nos diz constantemente que tudo aquilo é desprovido de essência.

É muito importante que nós tenhamos tal lampejo de percepção. Se formos capazes de ter um único lampejo desta percepção da realidade em toda a nossa vida, podemos ser felizes por todo o tempo que nos resta, pela simples lembrança daquele lampejo. Por outro lado, pode acontecer que, quando alguém sussurra em nossos ouvidos: “Ei! Isso é somente um filme”, nós não sejamos capazes de ouvir, pois estamos distraídos. Talvez naquele momento esteja a passar um grande acidente de carro, ou a música esteja muito alta e, por isso, não conseguimos ouvir aquela mensagem. Pode ser também que ouçamos a mensagem, mas que o nosso ego interprete mal aquela informação, então nós permanecemos confusos a acreditar que, por fim, há algo de verdadeiro e real naquele filme. Por que isso acontece? Isso acontece por falta de mérito. Mérito é incrivelmente importante. Claro que, inteligência, ou prajna, é importante. Compaixão, ou karuna, é importante. Mas mérito é uma condição primordial. Sem mérito, somos como um mendigo analfabeto e ignorante que ganha milhões na loteria, mas não sabe o que fazer com aquilo e os perde imediatamente. Mas suponha que você tenha algum mérito e que possa realmente captar a mensagem da pessoa que sussurra no seu ouvido. Então, como budistas, temos opções diferentes. Do ponto de vista do budismo Theravada, nós nos levantamos e saímos da sala de cinema, ou então fechamos os olhos para não nos deixar levar pelo filme; colocamos um fim ao sofrimento desta forma. No nível do Mahayana, nós reduzimos o sofrimento através da compreensão de que o filme é irreal, de que ele não passa de uma projeção e que é vazio. Nós não paramos de assistir ao filme, mas percebemos que este não tem uma existência inerente. Mais a frente, começamos a nos preocupar com as outras pessoas que estão no cinema. Finalmente, no Vajrayana, sabemos que aquilo é apenas um filme, não nos deixamos enganar, e simplesmente desfrutamos do espetáculo. Quanto mais emoções o filme provoque em nós, mais nós apreciamos o brilhantismo da produção. Compartilhamos os nossos insights com os companheiros que estão na sala conosco, os quais nós acreditamos estarem também apreciando aquilo o que vêem.

Entretanto, é necessário ter mérito para ser capaz de implementar isso na vida real. No budismo Theravada o mérito é criado através da renúncia; percebe-se que o filme nos leva ao sofrimento e temos sabedoria para parar de assistir aquilo. Já no Mahayana o mérito é acumulado através da compaixão, tem-se uma mente maior e mais aberta que está mais preocupada com o sofrimento dos outros.

Por outro lado, esta transformação – de se estar absorvido pelo filme, passar a ser capaz de ver a vacuidade dos eventos que acontecem na projeção, até vir a se preocupar unicamente com o bem-estar dos outros – pode demorar muito, muito tempo. É por isso que, no Vajrayana, nós nos movemos pela via rápida e acumulamos mérito através da devoção. Nós acreditamos na pessoa que está sussurrando em nosso ouvido, a qual tem uma compreensão que foi capaz de libertá-la. Não somente nós assimilamos a informação que esta pessoa nos dá, como também nós apreciamos a liberdade da mente dela e a profundidade da existência que ela tem. Nós sabemos que também possuímos o potencial para tal liberação, e isso nos leva a apreciar ainda mais a pessoa que sussurra nos nossos ouvidos. Um único momento de tal devoção, uma fração de segundo que seja, cria um mérito imenso. Se estivermos em sintonia com a pessoa que nos sussurra, ela pode nos ajudar a descobrir o verdadeiro “amante de filmes” que há dentro de nós. Esta pessoa pode nos ajudar a ver o quanto o resto da platéia esta cega pelo filme e o quão desnecessário é tudo aquilo. Desta forma, sem termos que depender das nossas confusões para entender o caminho, esta pessoa nós ajuda a compreender o que é aquilo que estamos vendo. E assim nos tornamos alguém que pode sentar-se ao fundo e desfrutar do filme. Quem sabe, talvez, possamos também sussurrar ao ouvido de outros.

De: “Life as Cinema,” por Dzongsar Khyentse Rinpoche. Shambhala Sun, Novembro, 2003

Tradução: Ana Paula Martins Gouveia

[NOTA ADITIVA DA REDAÇÃO: Recebemos, hoje 30/01//2011, uma contribuição maravilhosa de um de nossos leitores, Rogério, indicando um link, no qual Dzongsar Khyentse Rinpoche explica, em vídeo o tópico deste artigo. O vídeo está em inglês e para assistí-lo basta clicar no link abaixo:

http://www.youtube.com/watch?v=iPrzJO9N8qs&playnext=1&list=PL7E6C26817FB03BF0

Estaremos postando um novo Post com o link completo da explicação de nosso mestret Dzongsar Khyentse sobre “A Vida como um Filme”

Gostaríamos, aqui, de agradecer Rogério, profundamente, pela excepcional colaboração ao Blogsattva]


Anúncios

Sobre blogsattva

Somos o blog da comunidade do Chagdud Gonpa Brasil - Templo Odsal Ling. Estamos localizados na Rua dos Agrimensores, 1461, Cotia, São Paulo, CEP 06715-580, Brasil (travessa estrada do Capuava - acesso via Raposo Tavares) We are the blog of the community of the Chagdud Gonpa Brasil - Temple Odsal Ling. We are located at Rua dos Agrimensores, 1461, Cotia, São Paulo, CEP 06715-580, Brasil (at the corner of estrada do Capuava - access via Highway Raposo Tavares).
Esse post foi publicado em Bilingual Post, Buddhism, Ensinamento, Illusion, Ilusão, Master, Mestres, Tradução, Translation e marcado . Guardar link permanente.

6 respostas para Life as a Cinema: A Vida como um Filme

  1. Elizabeth Santos disse:

    wow!!!!! verdadeiro siddhi esse texto.
    Grata Marcelo pela generosidade de compartilhar. Grata Ana Paula por traduzir!
    Que muitos seres possam se beneficiar!
    bj

  2. Querida Elisabeth:

    Sim, foi realmente um tesouro encontrado durante o meu retiro de P’OWA no Khadro Ling. Graças a Anni-Dy, uma monja da Nova Zelândia que lá fazia outro retiro, que tive acesso a esse texto. Que bom que você também gostou.

  3. Rogério disse:

    Aqueles que curtiram este texto e entendem inglês podem ver o vídeo que ilustra este texto http://www.youtube.com/watch?v=iPrzJO9N8qs&playnext=1&list=PL7E6C26817FB03BF0

  4. Rogério:

    Grato pela colaboração tão especial em informar esse link que tanto beneficiará àqueles que o virem e ouvirem. É com a colaboração de nossos leitores, como demonstra a sua, que o Blogsattva vem crescendo e conseguindo passar a todos os leitores que atualmente nos acompanham mundo a fora a nossa mensagem, a mensagem de nossa Sangha e de nossos colaboradores. Estaremos fazendo uma menção no texto em si, e um novo post com o video para que todos possam acompanhá-lo. Obrigado de coração!

  5. Ariany disse:

    Estou de boca aberta =0
    Muito bom o texto, ótimas explicações. Passarei para as pessoas próximas a mim. Queria disponibilizar em meu blog também, ok?!

    Bacione

  6. blogsattva disse:

    Ariany:

    Obrigado por seu comentário. É sempre inspirador sabermos que estamos contribuindo com nossos posts do Blogsattva em uma Mandala mundial, pois temos recebidos comentários de várias partes do mundo, sempre em benefício dos seres.

    Sim, claro que pode colocar no seu blog, inclusive o post-video com as explicações de Dzongsar Khyentse Rinpoche em http://bit.ly/g3IAI6. Agradeceria se fizesse referência ao nosso blog http://www.blogsattva.org, de sorte a que outras pessoas pudessem se beneficiar de nossos posts e indicações, tomando conhecimento de nosso endereço eletrônico. Obrigado por colaborar e divulgar este excelente artigo e vídeo. E quando puder, divulgue o Blogsattva. Ele tem ajudado a muitas pessoas.

    Abraços e esperamos sempre por sua visita

    Marcelo Thiollier
    Blogsattva

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s